quarta-feira, 22 de fevereiro de 2006

Vida a dois (parte II)

O nosso amor a gente inventa
Pra se distrair E quando acaba a gente pensa
Que ele nunca existiu
(Cazuza)

Ontem estávamos nós, na mesa de um bar, discutindo sobre o amor. Por que temos a necessidade de inventar um amor? Não podemos apenas seguir pela vida tendo vários amores? Que duram apenas o tempo que têm que durar? A conclusão a que chegamos é que NÃO. Nós mulheres, pelo menos a maioria delas, quer logo achar que aquele dito cujo que acabamos de conhecer é o amor de toda a nossa vida.

E é aí que mora o perigo. Porque começamos a ver qualidades que não existem, beleza onde não tem e por aí vai... Aquele é o nosso amor, então ele nos parece perfeito. E é tão perfeito que até o levamos para morar na nossa casa. E tudo é lindo até que a dura realidade, que quem quiser pode chamar também de dia-a-dia, nos traz de volta do mundo dos sonhos.

Nos nossos sonhos, que insistimos em vão que se tornem realidade, ele (o nosso amor) é sempre gentil, entende que passamos o dia todo fora trabalhando e que quando chegamos em casa queremos apenas - depois de um banho - carinho e atenção e não ir para o fogão fazer uma comidinha para ele assistir ao jogo do Flamengo. Argh!

Muito pelo contrário, nos nossos sonhos, quando chegamos são eles que nos esperam lindos, cheirosos e com comida pronta. "Ah, tá..nem precisa tanto!", disseram aquelas menos otimistas. "Que não enchessem o saco já estaria de bom tamanho", emendam. Tudo bem, mas para mim isso é pouco.

Eu continuo querendo a sorte de um amor tranqüilo, com sabor de fruta mordida. Continuo querendo que a realidade não interfira em nada os meus sonhos. Que as contas a pagar não apaguem o meu fogo...que a tampa do vaso levantada e o banheiro molhado não tirem o meu bom humor...que as roupas espalhadas pelo chão, estejam lá somente depois de uma noite ardente...

Será que ando sonhando muito?

6 comentários:

Jussara Soares disse...

Amiga, não está sonhando muito não. A gente merece tudo isso e mais um pouco. Lembra do conto de fadas moderno? Pois é... a gente come o sapo.

edma nogueira disse...

Ow! Aê, vão bb hoje?????? Cerveja gelada (muito gelada) e pernas de sapo à milanesa, que tal?

Juliana Lima disse...

Boa...Tô dentro!

Marcelo disse...

Coitados dos sapos...Prefiro as rãs! Elas nunca nos deram expectativas de que virariam princesas! E as perninhas têm muito mais carne!!!

Lilian Bittencourt disse...

Juliana. Sou uma desconhecida que entrou em seu blog sem querer porque estava procurando outra coisa no google. Mas gostaria de dizer que li seu primeiro texto,gostei, dai li o segundo, gostei tambem (incluse os "vida a dois" IeII) entre outros. Só gostaria de parabenizá-la pois gostei mto de como escreve e como descreve a vida real, ironicamente. Muito bom. Parabens. Deveria escrever pra algum jornal ou site sei-la, daqui de Curitiba. Até mais!

maraysa disse...

Outro texto que não pude deixar de comentar!
Nossa, que talento vc tem!

Clap, clap, clap!

Palmas para vc!!

Parabéns!

Um abraço!

*M